Municípios do Amazonas: “Para ver Iranduba se desenvolver”

Desde quando a Ponte sobre o Rio Negro foi inaugurada a grande expectativa é que os municípios que foram conectados à Manaus “via asfalto” se desenvolvam. Talvez ainda não tenha ficado claro que desenvolvimento não tem nada a ver com crescimento. Desenvolver é criar melhores condições de vida, mais opções culturais, econômicas, políticas e sociais. Crescimento é encher a cidade de carros, asfalto, casas, condomínios, prédios e pessoas – o que, definitivamente, não está atrelado a melhores condições de vida.

E na expectativa de que o Amazonas poderia passar por um boom de crescimento pós-ponte (inaugurada em 2011), os olhares se voltaram para Iranduba, Manacapuru e Novo Airão, principalmente, que são as cidades que ficam “depois da ponte”. Se antes era preciso pelo menos uma hora para atravessar o rio negro e chegar à estrada que dá acesso a esses municípios, agora em 10 minutos atravessamos tranquilamente os 3,5 km de ponte e voilá! Tudo em perfeitas condições para desfrutarmos a AM-070.

iranduba

A estrada ganhou novos cafés da manhã, restaurantes e nesse momento está em obras para ser duplicada. “Que venham os carros”, é o recado que o governo está dando. Os balneários de Iranduba ganharam novos visitantes e deixaram de ser os pacatos e bucólicos recantos de natureza selvagem para se tornarem centros de grande movimentação nos finais de semana, como o balneário de Açutuba costuma ser em sábados e domingos de sol (aqui está meu outro post). Iranduba, por ser a cidade mais próxima de Manaus, que podemos chegar em  menos de 30 minutos de carro, ganhou condomínios, projeto de cidade universitária, novas barraquinhas na praça e mais visitantes no final de semana. Os grandes redes de restaurantes de Manaus, como a Alemã, já fixou, toda satisfeita, um super outdoor na estrada para avisar aos que bem trafegam na estrada que agora Iranduba tem restaurante aberto até meia noite e com “playground”. A Alemã foi para Iranduba e acreditou no desenvolvimento que está por vir na cidade.

Iranduba é a mesma Iranduba pacata de dois anos antes, mas já não tem os mesmos traços.

A entrada da cidade ainda estampa a mesma chaminé de olaria, o símbolo do município. Mas mesmo vendo que a fumaça das fábricas de tijolos e telhas ainda marca os céus da cidade, elas já estão mais embaçadas entre os novos espaços.

Se antes a avenida principal de Iranduba era uma rua de casas, agora é uma rua de casas com comércios. As garagens, até nas ruas mais distantes da área central, são cafés, restaurantes, tabernas. Se não há garagem, há uma plaquinha de “vende-se din din”. Espalham-se os serviços de oficina para motos. E apesar de ainda vermos muitas bicicletas circulando pelas ruas, há muitas motos.

Fico daqui torcendo para que os ares do desenvolvimento sejam diferentes dos ares do crescimento. Que os tijolos das olarias históricas de Iranduba, que sempre foram enviados para Manaus, agora sejam usados um pouco mais em seu próprio município para construir condições mais confortáveis de vida.

assinatura2

9 comentários em “Municípios do Amazonas: “Para ver Iranduba se desenvolver”

  1. também fico na torcida Paula! amo nosso estado e me entristeço quando vejo cenas como vc bem colocou. Existe cada vez mais crescimento e não desenvolvimento e pior, até abandono, como é o mercado existente no Cacau Pirera, na beira do Rio Negro com a frente de Manaus como paisagem.

  2. Poxa, Paula, que alegria e que tristeza essa realidade que vc expôs.
    Alegria do ponto de vista de alguns moradores da região que imaginam que finalmente o progresso irá chegar, tristeza que por sabermos que o ônus será igual a todas as cidades que se desenvolveram.
    E assim caminha a humanidade, na sua busca enlouquecida pela prosperidade.
    Confesso que tem horas que me dá uma dúvida salgadinha sobre o que realmente gostaria dessa vida, afinal viver em sociedade organizada não é fácil…
    Parabéns pela excelente reflexão!

    • Magno, num mundo desenvolvido as pessoas têm oportunidades, têm liberdade. O que vivemos, em sua maioria, não é o desenvolvimento, é o crescimento. E quando eu estou em alguma comunidade, quando vivo a vida fora desse circuito, tenho certeza que prefiro um mundo fora desse fluxo.

  3. Pingback: A imperdível Ponte sobre o Rio Negro | Manaus pra Mim

  4. Parabéns pelas matérias sobre Manaus!! Você a descreve de um modo tão fácil, descrevendo as mais simples particularidades, que já posso dizer que conheço um pouco dela. Tornei-me sua leitora assídua! Sobre Iranduba, me ajudou muito a entender um pouco dela, já que em poucos meses ela irá fazer parte da minha vida! O Fábio tem projetos lá e estarei com ele! Obrigada! Beijos!

  5. Muito bom Paula, gostei do seu post. Moro e nasci em Manaus, mas toda a família do meu pai é de Iranduba e quando criança sempre íamos passar o fim de semana no sitio dos meus avos que moravam lá, pois já estão no céu. Porem ainda temos raízes de parentes por la. Faço faculdade de farmácia e estou no quarto ano do curso, prestes a terminar. Com planos de ser a farmacêutica de Iranduba, pretendo trabalhar lá com o intuito de contribuir no desenvolvimento da cidade com visão na assistência da saúde da população. Gosto de Iranduba, pois me lembro de quando era criança, bjos

    • Que lindo seu plano, Tatyane! Que Iranduba possa receber sempre o melhor de você e de cada um que está naquela cidade acreditando em seu desenvolvimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: