Para surpresa geral e mudança de planos para os futuros finais de semana descobrimos que por aqui as locadoras de DVD são bem raras. Isso mesmo! Se você é um daqueles que já está cansado de ver uma locadora a cada esquina, passe a dar valor a isso! Por aqui muitas locadoras estão fechando suas portas e vendendo o estoque por preço de banana já que ninguém aluga filmes e só uma de grande parte está sobrevivendo à crise. Não aluga filmes porque a pirataria tomou conta e as pessoas preferem mil vezes comprar 3 DVDs por R$10,00 no centro da cidade do que alugar um lançamento por R$5,00.

Outra falsa impressão sobre Manaus é que é uma cidade que só se chega por barco ou avião. Por que todo mundo pensa que não tem estrada chegando em Manaus? Juro que eu mesma pensei que não teria mais o prazer de dirigir na estrada, que é uma das coisas que mais amo fazer.

Descobrimos a estrada! E ela vai para Presidente Figueiredo, talvez a cidade mais próxima de Manaus que fica a pouco mais de 100 km de distância. Essa mesma estrada nos leva a Caracas, e a indicação são de 2250 km. (no dia que nos arriscarmos nesse rumo, pode deixar que contarei)

Não cheguei nem em Presidente Figueiredo ainda. Passeamos mesmo foi por alguns dos vários balneários que se encontram na estrada. São banhos de rio muito legais! Uns tem restaurante e são mais badalados, uns tem cachoeira, uns são mais isolados. Todos parecem ser muito bonitos e vale muito a pena conhecer e relaxar nas águas correntes. Quando recebermos visitas os balneários são passeios certos!

Saudade

Enfim, cheguei a Manaus para ficar. Chegamos, na verdade. Somos eu, meu marido (recém-marido) e minha filha. Ajeitar coisas é o que temos feito na maior parte do tempo: encontrar espaço para as roupas que vieram, os livros que são muitos, os sapatos sem caixa, as calcinhas e os utensílios de cozinha. Um espaço novo, uma cidade nova, um clima novo, dias diferentes, pessoas diferentes, ritmos diferentes. A chegada gera magia, encanto e emoções à flor da pele. E a saudade é reinante… parece que a distância faz mesmo muita diferença e deixar quem sempre esteve por perto soa mais forte do que se pode imaginar. Saudade do olhar emocionado do pai, do sorriso carinhoso da mãe, da graça e encanto da irmã, do aconchego da casa de família. Saudade que disputa espaço com a magia da tão esperada chegada. Saudade que não pode ser ilustrada, mas que não passaria em branco.

“Que lindo!” É a expressão mais corrente durante o passeio.

É muito lindo mesmo. Pra gente que não está acostumado com essa imensidão de água, o rio mais parece mar. E quando entramos na água pra um mergulho não saímos com o corpo cheio de sal e a sensação é uma delícia.

Fizemos o passeio de lancha em julho, em plena época de cheia, e foi impressionante ver as casas flutuantes e as árvores quase totalmente submersas. Um show da natureza!

Pra fazer o passeio é só pegar uma lancha no porto de Manaus. São vários os modelos, vários preços e algumas opções de trajetos. Nós fizemos o passeio com o Lua. Ele nos recebeu muito bem, parou para um mergulho, viu coisas inusitadas pelo caminho e fez questão de aproximar a lancha pra nos mostrar. É um doce de guia, no porto de Manaus não é difícil encontrá-lo.

Ah! E essas fotos lindas são da minha filhota Clara. 11 anitos! Princesa e ótima fotógrafa! (e eu, mãe coruja)


Sobre o mito da chuva de todo dia na hora do almoço eu preciso me certificar melhor assim que eu realmente for uma moradora da cidade. Mas nos intervalos de 3, 5, e 7 dias em que estive na cidade (sério, gente!), não tinha isso de chover todo dia na hora do almoço! Será que inventaram essa história ou já são efeitos da mudança climática? Farei questão de checar!

Cidade Manaus: É pra lá que eu vou

Pra tudo nessa vida temos escolha. Podemos escolher entre fazer faculdade ou nos dedicarmos aos estudos pra passar num concurso. Podemos escolher fazer carne ou macarrão no almoço. Podemos escolher um namorado moreno alto ou um loiro sarado. Podemos escolher um notebook da HP ou um da Itautec. Podemos escolher uma telefonia fixa com preço de móvel ou um combo com internet, TV e telefone tudo junto. Podemos escolher passar as férias na praia ou nas montanhas, no calor ou no frio. Podemos escolher entre mil e uma coisas. E a escolha será sempre nossa. Eu escolhi casar, vender todas as minhas coisas, largar meu emprego e mudar de Minas pra Manaus com minha filha.

Antes de uma grande mudança, melhor é checar as possibilidades e preparar o terreno para poder fazer uma boa escolha, como qualquer boa mineira faria.

De abril até dezembro eu estive em Manaus cinco vezes e pude dar umas voltinhas de reconhecimento do território. Pensei, olhei, fotografei e me deliciei com tudo o que vi de diferente. São pessoas mais atenciosas, casas de outros formatos, músicas de outros ritmos, ruas de outras larguras, trânsito com outro ritmo, comércio com outros horários de funcionamento, clima diferente. Sobre os muitos lugares que visitei prometo falar mais, trazer fotos e detalhes, entrevistas e causos. Que sorte! Gostei da cidade!

Cidade Manaus: “A cidade sob os meus olhares”

Sabe esses lugares que todo mundo já ouviu falar, mas não faz a mínima noção de como seja? Pois um deles é Manaus. No Brasil não há um mortal que não tenha ouvido falar ou lido por aí alguma vez “Zona Franca de Manaus” ou “Produzido no Pólo Industrial de Manaus” e mesmo “Manaus da Amazônia”. Engraçado é como essas referências são tão diferentes: centro de referência em tecnologia e indústria e centro de referência ambiental, a cidade no meio da floresta e entre grandes rios. Parece que não combina uma ideia com a outra. Tá aí a explicação pra tanta dedução errada (e engraçada) sobre Manaus.

Quando anunciei que mudaria pra Manaus, e a mudança acontecerá em poucos dias, uma série incrível de pitacos e tentativas (bastante criativas) de caracterizar a cidade surgiram. Daria pra contar algumas hilárias, mas é melhor não! Vai que depois vocês saem por aí repetindo! =)

Uma eu revelo: uns professores colegas de trabalho me alertaram pra não levar o carro de Minas até Manaus porque no caminho algum jacaré poderia comer meu pneu! =)) E outra também: até os atendentes da Gol entraram na onda e ao perceberem minha mala cheia de facas e utensílios de cozinha perguntaram se eu estava levando pra cozinhar alguma cobra! Gente! Quanta piadinha!

Acontece que agora cá estou eu pra contar não só para os que encontro no dia a dia, mas também pra vocês que em Manaus não tem jacaré no meio da estrada e que os utensilios de cozinha são para fazer o que a gente faz em Minas, que em Manaus há cores, sons, luzes, brilhos, pessoas e lugares lindos, diferentes e misteriosos. Essa é Manaus. Manaus pra mim.